chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE

Elektronická platforma vzdelávania dospelých v Európe

 
 

Spravodajstvo

Novo relatório compara política de aprendizagem de adultos e provisão na UE

31/05/2019
Jazyk: PT

A Comissão Europeia publicou um novo relatório de síntese sobre a situação atual das políticas e sistemas nacionais de educação de adultos na UE-28. O documento reúne as conclusões de um conjunto de relatórios de países atualizados em 2017.

O documento recentemente publicado reflete a complexa política de aprendizagem de adultos e os quadros de financiamento, as metas e intervenções nacionais, bem como os seus pontos fortes e fracos e as reformas necessárias nos sistemas em vigor nos Estados-Membros da UE. O relatório reúne as conclusões de um conjunto de relatórios nacionais que foram concluídos para cada Estado-Membro, por um conjunto de peritos nacionais. "Contribui para aumentar a base de dados sobre os sistemas de educação de adultos na UE, que é um pré-requisito essencial para avaliar a sua eficácia, impacto e capacidade de resposta às necessidades de aprendizagem de adultos", afirma a Comissão.

O foco deste novo relatório concentra-se principalmente nas questões que interagem com o setor público, em vez de entender, por exemplo, como as empresas podem aumentar a eficácia da formação dos funcionários ou o que motiva os indivíduos a aprender mais. Resumindo o estado atual em termos de aprendizagem de adultos em toda a Europa, também analisa como as políticas e sistemas de aprendizagem de adultos se comparam em toda a UE-28.

Alguns dos pontos fortes dos sistemas nacionais de aprendizagem de adultos identificados no relatório incluem o grau em que agências e instituições trabalharam cooperativamente nas áreas de governação, regulamentação e provisão, como parte de um modelo de múltiplas agências. Por outro lado, as principais áreas que emergiram como pontos fracos foram a complexidade do mercado de oferta formativa, financiamento insuficiente e limitações em torno do uso de dados para informar o desenvolvimento da política e provisão.

Aceda ao relatório síntese aqui.

Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn