chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE

Plataforma eletrónica para a educação de adultos na Europa

 
 

Recurso

Nota informativa do CEDEFOP – setembro de 2018

Idioma: PT

Publicado por Ana Isa Figueira

A nota informativa do Centro Europeu para o Desenvolvimento da Formação Profissional (CEDEFOP) de setembro, agora disponível em língua portuguesa, incide no Índice Europeu de Competências, descrevendo, com exemplos concretos, os motivos que levaram à criação desta ferramenta, as suas vantagens para os decisores políticos, o seu funcionamento e o tipo de informação que poderá fornecer.

Sendo considerada a primeira medida criada com o intuito de avaliar e comparar o desempenho dos sistemas de competências dos diferentes Estados, a sua relevância vai muito mais além, já que fornece pistas de como podem os países aumentar a sua eficácia neste domínio, identificando, em concreto, que pilares e subpilares necessitam de maior reforço. Neste sentido, é também vista como “um elemento fundamental de apoio aos países no seu trabalho para alcançar os objetivos do Pilar dos Diretos Sociais”.

Em termos de funcionamento, este instrumento apresenta uma pontuação global que sintetiza o desempenho dos países nas diferentes componentes do Índice Europeu de Competências (“Desenvolvimento de competências”, “Ativação de competências” e “Correspondência das competências”), sendo estas compostas por um conjunto alargado de indicadores.

É ainda utilizada uma escala de 0-100, na qual “o desempenho ideal, de 100, encontra-se próximo do melhor resultado alcançado por qualquer dos 28 países ao longo de um período de sete anos”.

Em termos de resultados, nenhum país obtém 100 nem se aproxima desse resultado, mas todos se comparam fase a esse valor. Assim, “a República Checa obteve a melhor pontuação (75), seguida da Finlândia, da Suécia e do Luxemburgo (acima de 70)”. A nota refere ainda que juntamente com a Eslovênia, a Estónia e a Dinamarca, estes são os países que se situam no top com resultados acima dos 67. Metade dos países alcançou apenas pontuações no intervalo médio de 45 a 62, pelo que para todos existe uma margem de melhoria. Portugal surge com uma pontuação global de precisamente 45.

Numa avaliação genérica e global a nível europeu, a nota informativa acrescenta que “as disparidades são mais acentuadas na ativação e na correspondência do que no desenvolvimento de competências”.

Autor(es) do recurso: 
CEDEFOP
ISBN: 
1977-3943
Data de publicação:
Sexta-feira, 28 de dezembro de, 2018
Língua do documento
Tipo de recurso: 
Estudos e relatórios
País:
Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn