chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE

Plataforma eletrónica para a educação de adultos na Europa

 
 

Recurso

Literacias na sociedade dos ecrãs

Idioma: PT

Publicado por Ana Isa Figueira

Em 2016, 67,4% dos portugueses disseram já ter utilizado a internet. Pelo contrário, 32,6%, responderam negativamente.

Este é um dos dados que se extrai do relatório do OBERCOM, intitulado "Literacia na sociedade dos ecrãs", divulgado em março.

Apesar de ainda ser expressiva a percentagem dos que nunca utilizaram a internet, é constatado um aumento de 50 pontos percentuais em 14 anos, dado que, em 2002, apenas tinham usado a internet 12,4%. Este aumento de percentagem é, de acordo com o relatório, "sintoma de um país e de uma sociedade em mudança" com indivíduos "a determinar a sua própria experiência mediática learning on the go".

Relevante é ainda a análise que correlaciona o uso da internet com a escolaridade. Refere o relatório que, "no caso português, o ensino secundário estabelece-se como um marco em termos de literacias mediáticas, com diferenças interessantes face ao ensino superior cada vez mais ténues". Efetivamente, os dados revelam que com escolaridade até ao 3.º ciclo do ensino básico apenas 50,7% responderam já ter utilizado a internet. Com o ensino secundário, a percentagem sobe para 97,4% e com o superior para 98,8%.
Com respeito ao género, verifica-se uma diferença entre homens e mulheres em ambientes online cada vez menos acentuada. Embora em ambos os sexos haja um crescimento no uso da internet, este é "mais acelerado no género feminino".

Em termos geracionais, são retiradas quatro grandes conclusões: "as principais mudanças mediáticas na sociedade portuguesa tendem a ser inauguradas pelos mais jovens", "os mais jovens tendem a utilizar a Internet de forma mais complexa", "o fator geracional impacta a utilização física dos meios de comunicação" (os mais velhos tendem a preferir meios mais estáticos como a TV, já os mais novos tendem a adotar sobretudo meios de comunicação portáteis, como o telemóvel) e "os mais velhos recorrem em maior grau à internet para facilitar a sua vida quotidiana".

Autor(es) do recurso: 
OBERCOM
ISBN: 
2182-6722
Data de publicação:
Terça-feira, 13 de março de, 2018
Língua do documento
Tipo de recurso: 
Estudos e relatórios
País:
Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn