chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE

Plataforma eletrónica para a educação de adultos na Europa

 
 

Recurso

Getting skills right: future-ready adult learning systems

Idioma: PT

Publicado por Ana Isa Figueira

Esta é uma publicação da OCDE que volta a sublinhar a necessidade que muitos países têm de, urgentemente, modernizarem o sistemas de educação e formação de adultos, ajudando, desse modo, as pessoas a adaptarem-se ao mundo do trabalho que se prospetiva para o futuro.
De acordo com os dados tratados neste estudo, apenas dois em cada cinco adultos participam em atividades de educação e formação e são precisamente os menos favorecidos os que menos aptos estão a participar. O estudo revela que os adultos com baixas qualificações têm uma probabilidade três vezes menor de realizarem formação do que os altamente qualificados. Ficam igualmente para trás as pessoas mais velhas, os trabalhadores com baixas remunerações, com empregos temporários ou os desempregados.
Se juntarmos à análise o risco de automação dos postos de trabalho, a mais recente análise da OCDE aponta para um em cada sete postos de trabalho em risco total, sendo também os que enfrentam maior risco os que usufruem de menos formação, por vários motivos: falta de motivação (mais de metade refere não querer participar) ou por razões associadas a barreiras como a falta de tempo, os gastos ou a inexistência de apoio por parte do empregador (11%).
Nos países europeus, em média, apenas 20 das horas de formação correspondem a formação obrigatória, que, no entender da OCDE, deverá ser complementada com oportunidades de aprendizagem que permitam aos adultos o desenvolvimento de competências que lhes permitam manter os empregos ou progredir na carreira.
Nas análises que são feitas por país, o relatório identifica vários desafios associados à cobertura, à inclusão, à flexibilidade, à orientação, ao alinhamento com as necessidades de competências, ao impacto da formação e ao seu financiamento.
O relatório refere, em concreto, o fraco desempenho dos sistemas da Grécia, do Japão e da República Eslovaca na preparação para o futuro e sublinha o espaço de melhoria que países mais bem posicionados ainda têm, como a Noruega ou a Dinamarca.
Como recomendações são avançadas a melhoria da cobertura e da inclusão, através da promoção dos benefícios da educação de adultos e do apoio aos menos qualificados, aos desempregados, migrantes e idosos; o alinhamento da formação com as necessidades do mercado de trabalho (com programas desenhados para os que tenham competências que rapidamente se tornarão obsoletas); a melhoria da qualidade e da eficácia da formação (eventualmente mediante rótulos de qualidade que ajudem a escolher os investimentos que são feitos em formação); e um financiamento público adequado, conjugado com o contributo dos empregadores e incentivos aos indivíduos.

 

Autor(es) do recurso: 
OECD
ISBN: 
25206125 (online)
Data de publicação:
Sexta-feira, 1 de fevereiro de, 2019
Língua do documento
Tipo de recurso: 
Estudos e relatórios
País:
Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn