chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE

Plataforma eletrónica para a educação de adultos na Europa

 
 

Recurso

EDUCAÇÃO DE ADULTOS DE ÂMBITO ESCOLAR: ENTRE O QUE É E O QUE DEVERIA SER PARA SE TER EM CONTA O QUE ESTÁ PARA LÁ DOS MUROS DA ESCOLA E SER AGENTE DE MUDANÇA.

Idioma: PT

Publicado por Armando Loureiro

A educação de adultos pode ser um fator de desenvolvimento local, de mudança social, pode contribuir para a integração social dos mais desfavorecidos (CANÁRIO, 1999; LOUREIRO, 2008; MELO, 2008; UNESCO, 2010). No entanto, muitas das suas oferta educativas, sobretudo as de âmbito escolar, ou seja, as referentes à educação compensatória, e também as de âmbito profissional, isto é, as que se organizam tendo por pano de fundo o mercado de trabalho, assentam em modelos que se afastam claramente dos adultos que procuram e frequentam tais ações educativas (LOUREIRO, 2012).
Aqui interessa-nos discutir as ofertas educativas de adultos escolares e, na verdade, estas organizam-se, planificam-se e executam-se, muitas vezes, através de metodologias e práticas baseadas em modelos construídos de cima para baixo, uniformes, rígidos, hierarquizados e totalmente afastados da cultura e da vivência dos adultos. Ora, quando assim é e quando um dos principais intervenientes no processo educativo e formativo dos adultos, os educadores, os formadores, os professores, se limitam a reproduzir nos espaços de prática educativa (sala de aula de uma escola, salas de associações, ou outros espaços) os conhecimentos selecionados e organizados a nível central, os processos de educação escolar de adultos arriscam-se a ser fatores de reprodução social, não se tornando verdadeiros mobilizadores de mudança e de igualdade social (LOUREIRO & CRISTÓVÃO, 2010).
Mas não tem de ser assim, os processos de educação escolar de adultos não têm que ocorrer desta forma, eles podem e devem ter em conta o que está para lá dos muros da escola, o que faz parte da vida quotidiana dos adultos, tal como defendeu e fez Paulo Freire (1975), entre outros (FLECHA, 1997).
Neste capítulo fazemos essa discussão recorrendo a trabalhos anteriores, reflexões atuais, lançando mão de abordagens sociológicas da educação, do currículo e do conhecimento no campo da educação de adultos, tendo por base uma sociologia da educação de adultos que tem como preocupação perceber e mostrar como o conhecimento instituído neste tipo de currículo tem uma base social, política e económica e que tal facto tem influência nos efeitos sociais que produz e que são, muitas vezes, o de contribuírem para a reprodução social, para a manutenção da ordem social estabelecida, resultando tal facto precisamente do predomínio do tal modelo escolar neste tipo de educação (JARVIS, 1989, 1997; RUBENSON, 1989; FLECHA, 1994a; LLAVADOR & LLAVADOR, 1996; CABO, 2000). Como refere Cabo (2000:13), o currículo da educação de adultos não é neutro, pois os seus conteúdos, métodos e formas de organização, “são determinados por condicionalismos sociais, económicos, culturais e intelectuais”.

Autor(es) do recurso: 
Armando Loureiro
Data de publicação:
Quinta-feira, 1 de setembro de, 2016
Língua do documento
Tipo de recurso: 
Artigos
País:
Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn