chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE

Plataforma eletrónica para a educação de adultos na Europa

 
 

Sala de imprensa

Skill shortages and gaps in European enterprises: striking a balance between vocational education and training and the labour market

03/12/2015
Idioma: PT

Se a Europa enfrenta elevados níveis de desemprego, como nunca antes verificados, e se a força de recursos humanos nunca foi tão qualificada como atualmente, como se justifica e compreende que tantos empregadores expressem dificuldade em encontrar trabalhadores qualificados? É esta a questão que a presente publicação, da responsabilidade do Centro Europeu para o Desenvolvimento da Formação Profissional (CEDEFOP), procura responder, numa tentativa de mitigar o que designa por “estrangulamento de competências”.

Explorando uma panóplia enorme de fontes e de dados disponíveis (inquérito europeu às empresas, inquéritos realizados pelo Eurobarómetro, resultados do Programme for the International Assessment of Adult Competencies (PIAAC) e inquérito piloto do CEDEFOP sobre obsolescência de competências), este relatório procura apurar se efetivamente as dificuldades de recrutamento sentidas pelas empresas devem ser atribuídas apenas à escassez de competências ou se existirão outros fatores que estejam na base do problema. Além disso, escrutina o papel crítico que as empresas deverão ter, não só face à resolução das lacunas da força de trabalho no presente, mas também considerado o futuro, nomeadamente atendendo à obsolescência das competências.

E, da análise que efetua, o CEDEFOP acaba por concluir que as medidas políticas tomadas para a adequação das competências às necessidades do mercado de trabalho (e que têm levado as instâncias europeias e os Estados-Membros a adotarem novas iniciativas, como por exemplo, os projetos de mobilidade, a Aliança Europeia para a Aprendizagem, etc.) apenas são parte de uma solução que terá de ser encarada de forma mais alargada, envolvendo as próprias empresas.

No texto introdutório da publicação, da autoria de Joachim James Calleja, diretor do CEDEFOP, é, inclusive, afirmado que a inabilidade das empresas para atraírem os trabalhadores mais adequados pode estar em muitas outras razões, como a falta de atratividade dos salários, as precárias condições de trabalho, a inexistência de uma perspetiva de carreira e as barreiras geográficas e administrativas, designadamente a falta de reconhecimento de qualificações a nível internacional.

Por tudo isto, conclui o CEDEFOP, a chave para a resolução do problema está num maior empenho das empresas na oferta de lugares e empregos de elevada qualidade e de aprendizagem e na capacidade de gestão de talentos.

Outra parte da solução do problema caberá, de acordo com o estudo do CEDEFOP, aos decisores políticos europeus que desempenham um papel crucial no processo de diálogo social entre os operadores de educação e formação e os atores do mercado de trabalho. Devem ainda ser criados os incentivos corretos e os enquadramentos institucionais, de modo a que os instrumentos europeus para a área da educação e formação (associados à qualidade e à validação e reconhecimento de competências) sejam adotados pelos empregadores.

Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn