chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE

Plataforma eletrónica para a educação de adultos na Europa

 
 

Blogue

A popularização das redes sociais na orientação profissional

08/08/2017
by Jaana Kettunen
Idioma: PT
Document available also in: FI BG CS DA DE EN ES ET FR HR HU IT LT LV MT PL SK SL SV RO

/pt/file/shutterstock394706425jpgshutterstock_394706425.jpg

Para muitas pessoas, as redes sociais são simplesmente um conjunto de ferramentas digitais que permitem que as comunidades partilhem informações, comuniquem e convivam. No sentido mais lato, as redes sociais definem-se como um processo pelo qual as pessoas individuais e os grupos constroem um entendimento e significado comuns com conteúdos, comunidades e tecnologia Web 2.0. As redes sociais oferecem novas oportunidades para os especialistas em orientação profissional, mas também criam uma procura em matéria de novas competências. 

Desde a prestação de informação à orientação profissional conjunta

Uma investigação sobre as experiências dos especialistas em orientação profissional – incluindo os que trabalham nas escolas – fornece um quadro sobre as formas sob as quais as redes sociais estão a ser atualmente usadas na orientação profissional.

Mountain View

A finalidade mais corrente – e mais limitada – de utilizar as redes sociais nos serviços de orientação profissional é a prestação de informação. As redes sociais constituem um meio eficaz de prestar e divulgar informação rapidamente, permitindo que os especialistas em orientação profissional cheguem instantaneamente a grandes números de pessoas. No entanto, a utilização das redes sociais como fonte de informação para fins profissionais – incluindo a educação escolar – é um motivo de preocupação para algumas pessoas. Os profissionais sublinham que a participação ativa e segura nas redes sociais exige competências apuradas e a capacidade de pesquisar, selecionar e avaliar conteúdos digitais complexos. Na orientação profissional, tal significa uma maior ênfase na orientação dos jovens sobre a forma de usar a informação e de avaliar a fiabilidade e a validade da informação sobre carreiras e as suas diferentes fontes à luz das competências de gestão de carreira ao longo da vida.

A segunda finalidade (e mais ampla) é utilizar também as redes sociais na comunicação individualizada. A capacidade de partilhar textos, vídeo e áudio em tempo real criou muitas e novas oportunidades de interação e trabalho colaborativo sobre as necessidades dos jovens. Neste aspeto, as redes sociais são vistas como uma alternativa funcional e prontamente acessível aos serviços de orientação profissional presenciais, facultando aos jovens uma forma de partilhar anonimamente as suas ideias e dúvidas. Sendo que a comunicação nas redes sociais assume maioritariamente a forma escrita, a capacidade para escrever em linha é enfatizada. 

A terceira finalidade — e ainda mais ampla—da utilização das redes sociais é alargá-las a um espaço de trabalho interativo. Neste caso, as redes sociais deixam de ser vistas como uma ferramenta alternativa, para passarem a ser entendidas como um espaço de trabalho que faz parte integrante dos serviços de orientação profissional. Na interação e apresentação de informações e resultados a outras pessoas, a capacidade para discutir as questões em linha é essencial. 

A quarta finalidade e a mais ampla de todas da utilização das redes sociais é a orientação profissional conjunta em que a partilha de conhecimentos e a construção comum significativa de questões relacionadas com carreiras têm lugar entre os membros da comunidade. A capacidade para criar uma imagem credível e genuína de si mesmo no seio das comunidades em que as questões são discutidas coletivamente exige uma presença em linha consciente, corretamente gerida e supervisionada.

Competência das redes sociais na orientação profissional

As aptidões e competências nesta área são muitas vezes consideradas secundárias e são, por conseguinte, deficientemente desenvolvidas na formação. Existe, portanto, uma necessidade imperiosa de atualizar tanto a formação inicial como a formação em serviço e destinada a apoiar os especialistas em orientação profissional no seu entendimento das várias ferramentas das redes sociais e das formas inovadoras como estas ferramentas podem ser incorporadas em práticas existentes. É também importante que sejam desenvolvidas as competências digitais de que os jovens precisam para aceder, utilizar e beneficiar destes serviços.

As redes sociais desafiam as interações e relações tradicionais entre os especialistas em orientação profissional e os jovens. O controlo está a passar do conhecimento “especializado” para uma combinação de conhecimentos especializados e socialmente construídos. Deste modo, as redes sociais podem desempenhar um papel importante na reforma das práticas de orientação profissional para abranger melhor os jovens que precisam de ajuda na exploração e na tomada de decisões relativas às suas opções de carreira. O desafio para a profissão é decidir como melhor usar estas tecnologias.

Obtenha mais informações

Na Dinamarca, eGuidance oferece orientações aos jovens sobre as suas opções educativas por telefone, e-mail e através de webinars e conversação. O aconselhamento é anónimo e está disponível 68 horas por semana. No sítio do eGuidance no Facebook, os jovens podem partilhar as suas reflexões e experiências relativamente às opções educativas com outras pessoas. 

Na Finlândia, o uso das TIC nos currículos básicos nacionais é um elemento obrigatório na educação sobre orientação profissional e todos os alunos que concluam o ensino básico têm de se familiarizar com os serviços nacionais de informação sobre carreiras e de orientação profissional. O objetivo é ajudar os alunos a utilizar os serviços após a conclusão dos estudos de uma perspetiva de aprendizagem ao longo da vida.

/pt/file/minijpgmini.jpg

 

 

Autora: Jaana Kettunen é investigadora no Instituto Finlandês de Investigação Educativa da Universidade de Jyväskylä, na Finlândia. No seu trabalho, tem-se concentrado na conceção e uso pedagógico das TIC em ambientes de aprendizagem e trabalho. Atualmente, o seu trabalho de investigação incide sobre as redes sociais nos serviços de orientação profissional.

O artigo foi publicado na rede europeia de fórum educação escolar.​

Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn
Refresh comments Enable auto refresh

Apresentando 1 - 3 de 3
  • Retrato de Maximilian Welter

    Hallo Jaana,

    danke für deinen informativen Blogbeitrag. Es zeigt sich doch deutlich, wie die neuen (sozialen) Medien die Beratungspraxis verändern.

    2015 wurde in den öffentlich geförderten Bildungsberatungsstellen des Landes Niedersachsen auch ein Projekt zur Entwicklung und Erprobung von Bildungsberatung als Onlineberatung durchgeführt. Die Ergebnisse waren so positiv, dass Online-Beratungsangebote nun flächendeckend eingeführt werden.

    Hier geht es zur Publikation und zur Projektwebseite

  • Retrato de Anna Sarnacka-Smith

    Zdarza mi się otrzymać pytania od doradców zawodowych: „czy szkolimy z wykorzystania social media?”. Zaskakuje mnie to, bo dotąd zakładałam, że ich znajomość powinna być oczywistością w tej branży. Social media chyba wciąż przerażają, ale i mam wrażenie, że niektórzy dotąd wierzyli, że bez sprawnego poruszania się w sm „jakoś” się uda. Nie uda się, bo rzeczywistość social jest naturalnym środowiskiem życia młodych i chcąc pracować z nimi, wspierać ich, musimy być tam, gdzie oni są, żeby lepiej rozumieć ich potrzeby.

  • Retrato de Louise Cheng

    This was an interesting read and good to see another perspective in the use of social media tools in career guidance.