Blog
Blog

Grethe Haugøy: Educação e formação para a participação social e económica de todos

A minha família nunca poderia ter pago os meus estudos. Estou profundamente grata por ter crescido na Noruega, onde a educação pública é de qualidade.

Grethe Haugøy Breve biografia

Tenho estado envolvida, desde há 30 anos, na aprendizagem ao longo da vida, assumindo várias funções. Comecei como professora num centro de educação de adultos, em Oslo, na Noruega, antes de derivar para projetos internacionais, para a gestão, a investigação e a função pública. Aos 56 anos, ainda estou ansiosa por aprender mais sobre este interessante campo.

A minha história

Quando olho para trás para procurar a minha memória mais antiga de aprendizagem, fecho os meus olhos e me lembro-me do meu adorado puzzle do mapa-múndi. Fiz o puzzle deitada no chão de madeira da casa da minha família, montando as peças e criando uma imagem colorida. Ainda não sabia ler, mas reconheci as letras que compunham a minha palavra favorita: África. Fiquei intrigada com a cor verde escura da bacia do Congo e os profundos tons de bordô e branco azulado das montanhas – os Himalaias, os Alpes e os Andes. Até o meu próprio país, a Noruega, uma pequena e estreita língua na extremidade superior do mapa, tinha essas cores.

O puzzle deu-me uma primeira apresentação do mundo em meu redor e, desde então, sempre tive um fraquinho por mapas e por geografia.

Mosaicos da história

Apaixonei-me, desde cedo, pela enciclopédia, especialmente pelas entradas que integravam uma folha de plástico que mostrava as diferenças entre aquela época e agora – ex. as entradas para as ruínas gregas e romanas eram apenas fotos ensolaradas de pedras amarelas, mas com as folhas de plástico surgiam mosaicos e tecidos coloridos, bem como pequenos gregos e romanos em togas.

Também me lembro da série de livros TIME-LIFE sobre vários países. Gostei especialmente do italiano, com os seus quadros de arte famosa. A minha favorita foi a Vénus, de Botticelli, com o seu cabelo comprido e o sua concha maravilhosa. Ao mesmo tempo, incomodava-me a expressão no rosto da rapariga da fotografia de Orkin, An American Girl in Italy.

Venho de uma família tradicional da classe trabalhadora e nenhum dos meus pais teve a possibilidade de ter estudos, mas a minha mãe adorava ler e tinha uma boa coleção de livros. Acho que adquiri a paixão pela leitura e pela aprendizagem com ela.

Como muitas famílias nos anos de 1960 e início dos anos 1970, subscrevíamos a Reader's Digest e tínhamos uma boa quantidade de livros desta editora, incluindo versões condensadas de romances e de biografias. Vasculhei todos os livros da nossa casa, muitos dos quais li várias vezes. Também visitávamos a biblioteca local regularmente e quando tive a minha primeira bicicleta e permissão para pedalar por todos os lugares (aos 10 anos), ia lá, várias vezes por mês, para levantar livros.

A leitura ajudou-me a vencer as probabilidades contrárias às meninas da classe trabalhadora. Tornei-me uma leitora ávida e se não tivesse um livro à mão lia tudo, desde o texto dos pacotes de leite às revistas de futebol do meu primo (mesmo que não jogasse futebol), os desenhos animados, os livros de ciências da minha irmã mais velha, os livros de receitas da minha mãe e até os manuais técnicos do meu pai!

Hoje sei que crescer num lar com livros e principalmente onde as mães são leitoras ativas é terreno fértil para alguém se tornar um bom aluno (o que sempre fui). Normalmente, as probabilidades estão contra as meninas da classe trabalhadora que pretendem prosseguir estudos (a minha mãe nunca conseguiu), mas graças à visão liberal da minha família sobre a leitura e a aprendizagem, pude fazer exatamente o que mais me agradava, ler e estudar.

Obviamente, a minha família nunca poderia ter pago nenhum dos meus estudos. Portanto, estou profundamente grata por ter crescido na Noruega, onde a educação pública é de elevada qualidade e o ensino superior gratuito.

Educação e formação para a participação social e económica de todos

Estas oportunidades tiveram um grande impacto na minha vida e alinharam a agulha da bússola para as minhas atividades e carreira posteriores. O meu trabalho na aprendizagem ao longo da vida, em várias funções (professora, diretora, gestora de projetos, especialista, funcionária pública), sempre se centrou em garantir o acesso a uma educação e formação de qualidade para assegurar a participação social e económica de todos.

Grethe Haugøy

Login (5)

Pretende outro idioma?

Este documento também está disponível noutro(s) idioma(s). Selecione um, abaixo.
Switch Language

Want to write a blog post ?

Don't hesitate to do so! Click the link below and start posting a new article!

Discussões mais recentes

Focos temáticos 2021 da EPALE. Vamos começar!

Convidamo-lo(a) a enriquecer o que definimos para que este seja um ano intenso, contando com os seus contributos e experiência! Vamos começar por participar nesta discussão online. A discussão terá lugar a 9 de março de 2021, terça-feira, entre as 10:00 e as 16:00 CET (9:00 / 15:00 Lisboa). A discussão escrita será precedida por uma transmissão ao vivo com uma introdução aos focos temáticos de 2021 e será apresentada por Gina Ebner e Aleksandra Kozyra, da Associação Europeia para a Educação de Adultos (EAEA), em representação do Conselho Editorial da EPALE.

Mais

Debate da EPALE: o futuro da educação de adultos

A 8 de julho de 2020 (quarta-feira), com início às 10 horas e encerramento às 16 horas (CEST), a EPALE irá promover um debate online sobre o futuro da educação de adultos. Vamos discutir sobre o futuro do setor da educação de adultos, os novos desafios e oportunidades. O debate será moderado pela especialista da EPALE Gina Ebner, secretária-geral da EAEA.

 

Mais

Comunidade EPALE: partilhe os seus exemplos de boas práticas e de projetos bem-sucedidos no âmbito da educação para a cidadania

No âmbito do foco temático na Educação para a Cidadania, queremos ouvi-lo(a) a si – membro da comunidade EPALE – sobre exemplos de boas práticas e de projetos bem-sucedidos no âmbito da Educação para a Cidadania para adultos.

Mais