European Commission logo
Create an account
Blog
Blog

Cinco boas razões para um site educativo sem barreiras

Por que é que a acessibilidade digital facilita uma presença online moderna e de que forma pode economizar tempo, stress e dinheiro.

Publicado por: EPALE Österreich

Traduzido por: EPALE Portugal

 

Tempo de leitura: aproximadamente 4 minutos


5 Glühbirnen, eine schwingt

A acessibilidade digital é muitas vezes vista como um projeto online caro e demorado. No entanto, após uma análise mais detalhada, a acessibilidade digital é uma necessidade absoluta para uma presença online moderna e, em última análise, economiza muito tempo, stress e dinheiro aos utilizadores e aos operadores de sites.

Revelamos as cinco razões mais importantes pelas quais deverá tornar o seu site livre de barreiras, a saber: a participação digital, a otimização de mecanismos de pesquisa, um público mais amplo, uma melhor experiência para o utilizador e a conformidade legal. Este raciocínio está enraizado nas nossas experiências na disponibilização de um dos portais online de maior alcance: o erwachsenenbildung.at (mais detalhes sobre este no final do artigo).

  1. Os conteúdos sem barreiras promovem a participação digital e a informação online para todos

Ao tornarmos os nossos sites e o conteúdo online livres de barreiras, garantimos que as pessoas com deficiência e que as pessoas sem deficiência tenham oportunidade de se informar e de participar de forma independente na sociedade. Por uma questão de inclusão, muitas barreiras informativas online ainda precisam de ser removidas.

Por exemplo, textos com um contraste insuficiente relativamente ao fundo podem ser ilegíveis para pessoas com deficiência visual. Os cegos costumam fazer uso de tecnologia assistiva, como leitores de tela, que lhes leem o conteúdo. Contudo, se as imagens, formulários ou botões não contiverem descrições escritas ou não apresentarem o designado texto alternativo, pode ser impossível para os utilizados cegos percebê-los ou utilizá-los. Os vídeos explicativos que não tenham legendas são inúteis para pessoas com deficiência auditiva. E os sites otimizados para visualização desktop geralmente são de pouca utilidade para utilizadores de smartphones.

A acessibilidade digital afeta pessoas com deficiência motora, visual, auditiva ou cognitiva. Ao mesmo tempo, também ajuda pessoas com deficiências temporárias ou cuja língua nativa não seja, por exemplo, o alemão. Outros que beneficiam desta acessibilidade são as pessoas com deficiências na leitura e escrita, bem como utilizadores inexperientes no uso da Internet e utilizadores de dispositivos móveis.

A ONG alemã Aktion Mensch resume este tema muito bem: para 10% das pessoas a acessibilidade digital é indispensável; para 30% é necessária; e para 100% dos utilizadores é útil.

  1.  Um design sem barreiras permite que o seu site funcione em todos os tipos de dispositivos

Hoje em dia, quando se criam sites, estes devem incorporar sempre um design responsivo. Isto permite que o conteúdo seja adaptado a vários dispositivos (como notebooks e smartphones) e que seja exibido de forma otimizada. Se as informações e interações online devem ser acessíveis a todas as pessoas, da mesma forma devem sê-lo para todos os dispositivos.

A acessibilidade digital exige, portanto, um nível máximo de responsividade, que dá aos utilizadores liberdade de escolha quanto ao dispositivo a utilizarem. Assim, as pessoas interessadas em educação podem encontrar informações sobre oportunidades de formação nos ecrãs dos computadores dos seus gabinetes com a mesma facilidade que podem encontrar nos seus smartphones num banco de um parque.

  1. Os sites sem barreiras são mais fáceis de encontrar

Em primeiro lugar, as pessoas interessadas em educação gostam de utilizar motores de pesquisa como o Google e similares. Ao mesmo tempo, os operadores de sites investem muito tempo e dinheiro na otimização de mecanismos de pesquisa (SEO) para que o seu conteúdo online possa ser encontrado pelos mecanismos de pesquisa e também para aumentar o seu alcance junto de potenciais utilizadores. E agora a boa notícia: se investir tempo e recursos financeiros na criação de um site sem barreiras, estas medidas também terão um impacto muito positivo na otimização dos mecanismos de pesquisa.

Isto ocorre porque, por exemplo, os textos alternativos não só permitem que os leitores dos ecrãs acedam à informação, mas também permitem que os mecanismos de pesquisa a leiam. O mesmo se aplica a medidas como legendas e transcrições de conteúdos de vídeo e áudio. O Google e outros motores de pesquisa querem “compreender” e a acessibilidade visa alcançar o mesmo para os utilizadores. Por esta razão, é particularmente importante não apenas identificar os títulos como tal, mas também escrever os textos de uma forma que seja semanticamente consistente e claramente compreensível.

  1. A acessibilidade ajuda os seus utilizadores a encontrarem o que procuram

Navegar por uma verdadeira selva de ofertas educativas já representa um desafio para os potenciais alunos. Muitas vezes, encontrar respostas em sites educativos representa mais um desafio e pode testar a paciência dos utilizadores. Os utilizadores que visitam o seu site desejam encontrar rapidamente o que procuram. Isto exige que o seu site seja fácil de operar e intuitivo de utilizar. Estes elementos são particularmente relevantes na situação dos sites sem barreiras.

Para os sites existentes, isto significa arrumar e organizar para obter espaço para conteúdos mais importantes. Para que os sites permaneçam organizados, podem ser úteis padrões editoriais comuns, como a utilização de modelos da Web, e o abandono de soluções caseiras. Os programadores de back-end também lhe ficariam muito gratos porque isso simplifica os esforços de manutenção e, em última análise, economiza o seu dinheiro. Os mais gratos de todo seriam os utilizadores, pois navegariam alegremente pelo seu site e visitá-lo-iam novamente, com prazer.

  1. A acessibilidade digital está suportada pela legislação

O direito à acessibilidade digital é regulado pela Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (Artigo 21) e pela Lei Austríaca de Igualdade na Deficiência (Behindertengleichstellungsgesetz).

A partir de 23 de setembro de 2020, a Diretiva da UE 2016/2102 e a Lei austríaca de Acessibilidade à Web (Web-Zugänglichkeits-Gesetz (WZG)) também estão em vigor na Áustria. Estas leis estabelecem que o novo conteúdo dos sites do setor público deve ser apresentado sem barreiras. A legislação na forma das Diretrizes de Acessibilidade para Conteúdo Web (WCAG) disponibiliza padrões definidos que poderá utilizar para avaliar o seu próprio site.

Em suma, as WCAG requerem – na forma de quatro princípios gerais – que:

  • todos os utilizadores sejam capazes de perceber as informações apresentadas,
  • todos os utilizadores sejam capazes de operar a interface,
  • todos os utilizadores sejam capazes de compreender as informações e a operação da interface do utilizador, e que
  • o conteúdo seja suficientemente resistente para que possa ser interpretado por uma ampla variedade de tecnologias.

Sim, e é isso que todos nós realmente queremos.

Por experiência

A acessibilidade digital é implementada nas atividades diárias de edição no erwachsenenbildung.at. Nós incluímo-la, em todas as fases de desenvolvimento e melhoramos todos os dias. Em junho de 2022, partilhámos as nossas experiências neste domínio com pessoas interessadas em educação de adultos num webinar sobre informação educativa online sem barreiras (Webinar zur Barrierefreien Online-Bildungsinformation) e também já descrevemos as nossas experiências em artigos publicados na EPALE, como: “Bildungsinformation barrierefrei aufbereiten: ein paar Tipps" (Tornar a informação educativa acessível: algumas dicas) e “Bildungsinformation barrierefrei gestalten: Stolpersteine und Widersprüche” (Tornar a informação educativa acessível: obstáculos e contradições). O principal objetivo da acessibilidade digital é tornar os conteúdos da web facilmente acessíveis a todos. Esta mensagem – e a necessidade urgente da sua implementação – já chegou aos nossos participantes há muito tempo. No entanto, exige empenho e dedicação de todos os envolvidos para que a acessibilidade digital seja realmente alcançada. As cinco razões acima mencionadas foram suficientes para convencer toda a nossa equipa.


Mais informação:


Texto/Autor do artigo original em alemão: Sabine Schnepfleitner//CONEDU

Redação/Edição do artigo original em alemão: Wilfried Frei/CONEDU

Imagem do título: Licença Unsplash, Rodolfo Clix, unsplash.com

Login (3)

Pretende outro idioma?

Este documento também está disponível noutro(s) idioma(s). Selecione um, abaixo.
Switch Language

Want to write a blog post ?

Don't hesitate to do so! Click the link below and start posting a new article!

Discussões mais recentes

Focos temáticos 2021 da EPALE. Vamos começar!

Convidamo-lo(a) a enriquecer o que definimos para que este seja um ano intenso, contando com os seus contributos e experiência! Vamos começar por participar nesta discussão online. A discussão terá lugar a 9 de março de 2021, terça-feira, entre as 10:00 e as 16:00 CET (9:00 / 15:00 Lisboa). A discussão escrita será precedida por uma transmissão ao vivo com uma introdução aos focos temáticos de 2021 e será apresentada por Gina Ebner e Aleksandra Kozyra, da Associação Europeia para a Educação de Adultos (EAEA), em representação do Conselho Editorial da EPALE.

Mais

Debate da EPALE: o futuro da educação de adultos

A 8 de julho de 2020 (quarta-feira), com início às 10 horas e encerramento às 16 horas (CEST), a EPALE irá promover um debate online sobre o futuro da educação de adultos. Vamos discutir sobre o futuro do setor da educação de adultos, os novos desafios e oportunidades. O debate será moderado pela especialista da EPALE Gina Ebner, secretária-geral da EAEA.

 

Mais

Comunidade EPALE: partilhe os seus exemplos de boas práticas e de projetos bem-sucedidos no âmbito da educação para a cidadania

No âmbito do foco temático na Educação para a Cidadania, queremos ouvi-lo(a) a si – membro da comunidade EPALE – sobre exemplos de boas práticas e de projetos bem-sucedidos no âmbito da Educação para a Cidadania para adultos.

Mais