chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE - Elektronisch platform voor volwasseneneducatie in Europa

Blogs

Eu não quero aprender

27/11/2019
door Cristina PEREIRA
Taal: PT
Document available also in: EN RO ES EL CS PL HU DE FR FI

/is/file/unwilling-learn-0Unwilling to learn

Unwilling to learn

Até mesmo os mais fortes defensores da educação de adultos sentem por vezes relutância em aprender. Como podemos tornar a aprendizagem no local de trabalho e a educação de adultos em geral novamente atraentes para os aprendentes? Gina Ebner partilha as suas reflexões.

“Eu não quero aprender”

Até mesmo os mais fortes defensores da educação de adultos sentem por vezes relutância em aprender. Como podemos tornar a aprendizagem no local de trabalho e a educação de adultos em geral novamente atraentes para os aprendentes? Gina Ebner partilha as suas reflexões.

A minha intenção original era escrever uma reflexão sobre a Semana Europeia da Formação Profissional (EVSW), em Helsínquia. Aconteceu que, durante um dos eventos, tive uma experiência muito estranha e pensei em partilhá-la convosco.

Um pouco de contexto:  Trabalho há cerca de 25 anos em educação de adultos e aprender faz parte da minha vida. Na sua maioria aprendizagem não formal e informal, o que é ótimo. Tenho um crachá da Plataforma Europeia para a Aprendizagem ao Longo da Vida que diz “Continuo a aprender”.

Voltando ao evento da Semana Europeia da Formação Profissional: o debate era acerca das competências para o futuro (com um forte enfoque na digitalização, automação e inteligência artificial). A dado momento, foi-nos solicitado que usássemos os telemóveis para indicar se considerávamos ter as competências necessárias para o futuro. Eu respondi, como muitos outros, que tinha parte/algumas das competências necessárias. E então, alguém do painel disse, indubitavelmente com a melhor das intenções, que nós (e todos os que responderam não ter as competências para o futuro) teremos que aprender muito para estarmos aptos para o mercado de trabalho do futuro.

Foi aqui que a minha surpreendente experiência começou. Tive uma reação imediata e quase física àquela frase. Por um momento não consegui respirar, e o meu primeiro pensamento foi “mas eu não quero aprender” e depois, “o meu futuro no mercado de trabalho é limitado” (tenho 55 anos) e finalmente, “quem tem tempo”. Senti-me um pouco horrorizada. Esta era a primeira vez na minha vida em que eu não queria aprender (também houve situações em que eu não queria ir à escola, mas isso é algo completamente diferente). A minha primeira análise foi que tinha começado a cambalear em direção ao túmulo. Que eu estava a chegar à idade em que as pessoas dizem que não precisam de aprender mais - as pessoas que tentamos convencer de que a aprendizagem é útil e divertida.

Na realidade, isto não é totalmente verdade. Acabei de iniciar um curso de fotografia de natureza, que durará dois anos. Estou, também, a pensar num curso sobre morcegos (adoro morcegos). Tenho uma longa lista de coisas que gostaria de fazer (i.e. aprendizagem informal) e de aprender, se tivesse tempo: ler Robert Musil, aprender Russo, fazer voluntariado (talvez com morcegos?), aprender a falar Holandês e talvez começar a cantar pela primeira vez desde que a minha família me disse, convincentemente, que eu era incapaz de cantar afinada, quando tinha seis anos.

Então porquê a minha reação tão forte e imediata? Após alguma reflexão, concluí que se devia ao “ter que” na frase. Temos que recuperar o atraso. Temos que melhorar as competências e requalificar. Temos que ter todas as competências necessárias. E eu reagi com um sonoro (interior): “Não, não tenho”. Tal como muitas outras pessoas eu estou ocupada: a trabalhar; a viajar; a ter mil e um afazeres; a fazer coisas irritantes, como negociar com companhias de seguros; a tentar fazer exercício físico; a cozinhar refeições saudáveis; a levar gatos muito relutantes ao veterinário. A lista não tem fim, assim que resolvemos um assunto, outro aparece. Tudo isto já deixa pouco tempo para as coisas que gostamos de fazer, tais como encontrar com os amigos, ir ao teatro ou ao cinema, etc. Onde é que eu me encaixo na formação que TENHO QUE fazer?

De repente, para mim, aprender estava ao nível das coisas irritantes que tenho que fazer – os seguros, as entidades financeiras, as declarações de impostos, o trabalho. E, subitamente, ali estava eu a compreender claramente como tantas pessoas se sentem em relação a aprender. As nossas vidas são ocupadas, não nos deem mais uma tarefa obrigatória. E é ainda pior se não vemos nenhum benefício. Vou ser promovido? Serei capaz de mudar para um emprego melhor? São tantas as pessoas que não conseguem benefícios (imediatos). Não admira que respondam com um retumbante NÃO.

Depois de divagar sobre a minha experiência, passo agora às minhas reflexões mais racionais:

Mudemos a narrativa sobre a educação e formação profissional contínua, e sobre a educação de adultos. Vamos parar de dizer às pessoas que elas têm que aprender / fazer formação / melhorar as competências / requalificar-se. No local de trabalho, vamos falar sobre a grande oportunidade que a aprendizagem programada trará e não que “Temos que fazer formação”. Vamos, de facto, ter mais aprendizagem no local de trabalho durante o horário de trabalho para aliviar a pressão sobre os funcionários.

Vamos alterar os argumentos para: quanta satisfação a aprendizagem pode trazer; quantos benefícios se pode obter mesmo que não sejam financeiros; não se trata de uma tarefa, mas de uma atividade interessante e recompensadora.

Vamos aproveitar e promover todos os tipos de aprendizagem.

Aprender pode fazê-lo feliz.


Gina Ebner é a Secretária-Geral da Associação Europeia para a Educação de Adultos (EAEA) e a Coordenadora Temática da EPALE para o tema Apoio ao Aprendente

Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn
Refresh comments Enable auto refresh

1 - 8 van 8 weergegeven
  • afbeelding van Petra Steiner, wba
    Dear Gina!

    Thanks so much for this article, I fully can unterstand what you mean. For me it seems to be a kind of pressure and its exhausting adults. What came into my mind, when you told about your experience is: isn´t it a question what we want (and have to) learn? ... More than just a question of whether we have to learn or not? Following this question it becomes important to think about our opportunity and freedom to choose, what we want to learn and which subject we would rather like to leave out. Many topics concerning every day management and "digitalisation" seem to not allow freedom of choice. Or is it possible to shape this external pressure als Community of adult educators?
    Best regards and a successfull 2020!
    Petra H. Steiner, Austria
  • afbeelding van Halmos-Németh Ágnes
    Most ébredtem rá, hogy legtöbbször engem is a KELL zavart és zavar. Persze előfordul sokszor olyan is, amikor a kell címszó alatt elkezd érdekelni az, amit meg kell tanulnom és meg kell csinálnom a kell-en belül. Ugyanakkor azt gondolom, hogy egy bizonyos kor felett (szerencséseknek ehhez nem kell bizonyos kor) tényleg akkor okoz igazi örömöt a tanulás, ha az belső indíttatásból jön, azzal kezdek el foglalkozni, ami igazán érdekel, de eddig nem tehettem meg, hogy erre időt szakítsak. Akkor biztosan nagyon felszabadító lehet elhagyni a KELL-eket és válik igazi élménnyé a tanulás. A legjobb viszont az lenne, ha már a gyerekkortól megtanulnánk az örömtanulást. 
  • afbeelding van Claudio MARQUES
    Je ne sais pas si je suis d'accord avec l'idée de ne pas vouloir apprendre. Je pense que c'est même impossible. Je pense qu'on aime tous apprendre car on pense. Les connaissances rentrent tous les jours dans notre vie. Pour moi apprendre c'est ma manière d'être avec moi et le monde mais nous sommes bien-sûrs tous différents. L'apprentissage peut-être récréatif, social, culturel ou technique mais je pense que tout apprentissage est important. 
    Obliger à apprendre, non? C'est comme obliger à manger.
  • afbeelding van Marzena Woch

    W dzisiejszych czasach coraz mniej ludzi chce się uczyć, już dzieci od najmłodszych lat okazują niechęć do nauki. 
    Przyczyn może być wiele, jedni gonią za kariera, pieniędzmi, inni zniechęcają się w szkołach, przez forme prowadzonych zajęć, podejścia nauczyciela do ucznia. 
    Z kolei też brak checi do nauki wynika z naszego lenistwa, niechęci, również z przykładu znajomych, rodziny, którzy po skończeniu studiów nie potrafia znaleźć pracy w danym zawodzie. 
    Nauka jest ważnym elementem każdego z nas, uczy nas życia, pracy, relacji międzyludzkich, warto mimo wszystko uczyć się, i zdobywać nowe doświadczenia.
  • afbeelding van Krisztina Kotlárné Varga
    Köszönöm a cikket, frissitő élmény volt olvasni. Ahogy a gyerekek is egyre kevésbé szívlelik, hogy megmondják nekik, hogy mit KELL csinálniuk, úgy a felnőtekre ez hatványozottan igaz. A prespektíva váltás, az új csomagolás lehetne egy jó megoldás erre, ahogy Ön ezt írja. Köszönöm!
  • afbeelding van EPALE SK
    Dear Gina, 

    thank you for this article. We face it everyday and should be aware of this kind of "selling" adult learning almost exclusively in the context of labor market. Values, joy, personal fulfillment, social contacts and much more is what we also need to stress about further learning. And we often don´t.
  • afbeelding van Katrin Echtermeyer
    Many thanks for the very personal insight. I think this kind of self-reflection is very important in education in general and in adult education in particular. This is not about "us" (the teachers) on the one hand and "the others" (the learners) on the other. We are all the "adults" to whom adult education is directed. If we reflect on what causes contradiction in us, we can avoid it for our offers - no MUST in connection with learning, for example. If we reflect on what appeals to us, what arouses our curiosity, what makes us want to learn, then we know better what is interesting for others. Certainly not for everyone, but for some more.
  • afbeelding van Anastasija Kravcenoka
    Pilnībā piekritu par to, ka mācīšanās jābūt interesantai un aizraujošai aktivitātei, tad cilvēki mācīsies arī papildus, viņus nevien nespiedīs to darīt, bet viņi to darīs paši! Tas ir pats galvenais.