chevron-down chevron-left chevron-right chevron-up home circle comment double-caret-left double-caret-right like like2 twitter epale-arrow-up text-bubble cloud stop caret-down caret-up caret-left caret-right file-text

EPALE - Eiropas Pieaugušo izglītības e-platforma

Ziņu sadaļa

Sistematizar a experiência, uma forma de avançar e de aprender

03/04/2020
Carlos RIBEIRO
Valoda: PT

O Centro Qualifica Henriques Nogueira, de Torres Vedras, desde o início desta fase crítica provocada pelo COVID-19, agarrou as inúmeras tarefas de adaptação no funcionamento daquele dispositivo com entusiasmo e otimismo. Mas, tudo o indica, a atitude face às adversidades, sendo fundamental, representa apenas uma das facetas deste quadro de complexidade que exige mais, muito mais, da parte da Equipa e de cada um dos seus elementos.

O recente exercício realizado coletivamente de avaliação da atividade desenvolvida e de sistematização das experiências vividas constitui uma excelente demonstração de vitalidade e de mobilização da inteligência coletiva.

Se tivermos em conta o percurso que nos é proposto para o balanço que abaixo se transcreve com edição nossa, podemos destacar alguns tópicos fundamentais que podem servir de referência para olhares futuros sobre as práticas ocorridas:

1.º - A coesão da equipa: sem este ponto de partida, nada pode ser programado e projetado, se se quiser ter êxito;

2.º - Uma cultura participativa: as dinâmicas de participação são essenciais para o envolvimento de todos.

3.º - Uma estratégia de co-construção das soluções: ou seja, uma participação ativa e comprometida de todos os interessados visando a resolução dos problemas;

4.º - Uma abordagem inclusiva: ninguém ficar para trás nomeadamente nas condições logísticas de participação nas atividades;

5.º - Uma opção de discriminação positiva face a potenciais riscos de desigualdade: a conciliação da vida familiar, pessoal e profissional no atual contexto de confinamento ou de desequilíbrio nos compromissos profissionais no seio da família;

6.º - A auscultação dos utilizadores finais: a recolha de opiniões e de propostas junto dos adultos que se encontram em novas condições de participação;

7.º - Uma liderança criativa e em permanente autorregulação: o assumir de riscos face ao desconhecido e a capacidade de partilhar com todos os membros da equipa os desafios e simultaneamente encontrar soluções em cima do acontecimento, reforçando sempre o espírito de equipa. 

A Equipa do Centro Qualifica realizou um balanço a partir de dois tópicos centrais. Em primeiro lugar os processos de RVCC escolar e de seguida os relativos ao RVCC Pro que de seguida se transcrevem.

 

I – Os processos de RVCC escolar em curso

As mudanças provocadas pelo COVID-19 implicam pensar em novas formas de trabalho e a equipa do Centro Qualifica tem vindo a refletir sobre o assunto, não em presença, como era habitual, mas à distância. 

 

1. Novas ferramentas

No nosso caso, utilizando a plataforma Teams, associado ao Office 365, onde temos os nossos emails institucionais alojados. É uma ferramenta de trabalho nova, que temos vindo a explorar e que nos tem permitido manter vivo o espírito de equipa, tão importante também no contexto atual. 

Plataforma Teams – Office 365 | Mails alojados | Espírito de equipa

 

2. Autobiografias e “meios parados”

No caso específico dos processos de RVCC escolar iniciados antes desta crise, consideramos que o importante é não abrandar na produção das autobiografias ou, no caso dos candidatos que têm estado “meio parados”, aproveitar este período para imprimir novo ritmo e retomar a construção dos portefólios. Isto caso o contexto profissional e/ou familiar de cada um o permita, obviamente. 

Não abrandar | autobiografias | imprimir novo ritmo | atender às condições

 

3. Cuidar dos meios técnicos

Os canais de comunicação, os interlocutores e a estratégias de trabalho há muito que estão definidos, pelo que não estamos perante grandes mudanças a esse nível. 
Sabemos, todavia, que, ao nível dos meios técnicos (computador / internet), há alguns candidatos com problemas, o que estava a ser colmatado com mais trabalho presencial no Centro Qualifica, pelo que estão a ser pensadas novas estratégias de apoio para esses casos específicos. 

Estratégias de trabalho | Computador | Internet | Apoios

 

4. Sessão de validação

No que diz respeito aos candidatos que ainda têm ainda horas de formação complementar por realizar, as orientações relativas à sua continuidade e formas de trabalho a adotar estão a ser construídas pela equipa e serão remetidas aos visados pelos interlocutores (TORVC e /ou formadores) e canais habituais.

No que se refere à etapa de validação de competências, que ocorre após conclusão dos portefólios, a equipa não vê dificuldades na sua realização pois dispõe dos meios técnicos necessários para tal. Ou seja, desde que haja portefólios concluídos, a sessão de validação nunca será um problema para a continuidade dos processos. 

Formação | Validação de competências | Portefólios

 

5. Desafio para todos

Após essa etapa, avançaremos para a preparação das provas de certificação e para a realização das mesmas, pelo que veremos com cada um dos candidatos e com os elementos que integrarão o júri de certificação quais os meios a que iremos recorrer. 
É uma etapa que tem de ser bem pensada, mas também não consideramos que possa constituir um obstáculo à conclusão dos processos de RVCC em causa. Será, sim, um desafio para todos nós, mas estamos cá para o enfrentar e, em conjunto, construirmos as soluções necessárias.

Preparação | Júri | Provas de certificação

 

II – Os processos de RVCC Profissional em Técnico(a) de Ação Educativa 

Partilhamos o que temos estado a construir com vista à continuidade dos processos de RVCC Profissional Técnico de Ação Educativa, nos quais estão envolvidas 17 assistentes operacionais de diversos agrupamentos. Todas são detentoras do 12º ano e visam o reconhecimento, validação e certificação de competências profissionais na sua área de intervenção. 

RVCC Profissional | Assistentes operacionais

 

1. Produzir vídeos

Considerando que se estava em plena formação complementar quando esta crise começou, a primeira preocupação da equipa foi encontrar soluções para manter o grupo coeso e dar continuidade à formação.

Após rápida reflexão, e auscultadas as destinatárias, decidiu a equipa avançar para a produção de vídeos por unidade de competência, os quais passam a ser o elemento central da sessão de formação, sendo estes complementados pelos ficheiros de apresentação das unidades em causa, também eles produzido pelas formadoras deste grupo. 

Continuidade | Auscultação | Vídeos | Ficheiros técnicos | Produção pelas formadoras

 

2. Um novo modelo de sessão de formação

A fim de se manter as lógicas de discussão e partilha que já estavam a ser construídas, foi decidido também criar-se um grupo no WhatsApp.

Assim, neste momento, o conceito de sessão de formação complementar integra o visionamento de um vídeo (partilhado no grupo do WhatsApp), a leitura da documentação remetida via email e a participação na discussão dos mesmos, em momentos a predefinir, no grupo do WhatsApp, que passou a ser o ponto de encontro / “sala de formação”. 

Discussão | Grupos WhatsApp | Visualização de vídeo | Leitura documentação | WhatsApp sala de formação

 

3. Exercícios viram “desafios”

Até à data, já foram construídos e partilhados os primeiros vídeos, enviados os ficheiros informativos correspondentes, estando a ser definido o primeiro momento de debate no grupo.

Também foi reapreciado o cronograma, tendo o mesmo sofrido alterações ao nível da aplicação dos instrumentos de validação, prevendo-se a realização, a curto prazo, do primeiro exercício prático, denominado “Desafio1”, cujo produto, a remeter à equipa pelas candidatas, permitirá a validação da UC 1 e 2.

Debate de grupo | Cronograma | Exercício prático | Validação

 

4. Otimismo

Estas novas estratégias de trabalho estão a ser bem acolhidas pelas formandas, pois permiti-lhes realizar os momentos de formação à hora mais conveniente, facilitando a conciliação com a vida familiar e profissional, nos casos em que ela se mantém ativa, havendo somente que consensualizar os horários para discussão/ debate no WhatsApp. 
A equipa está, assim, a encarar com otimismo os desafios com que está a ser confrontada e espera conseguir concretizar o que estava projetado: realizar provas de certificação profissional em julho. 

Vida familiar e profissional | Hora mais conveniente | Provas em julho

 

Carlos Ribeiro | Praça das Redes | 2 de abril de 2020. Texto de balanço do Centro Qualifica Henriques Nogueira editado (subtítulos e palavras-chave) CR.

Share on Facebook Share on Twitter Epale SoundCloud Share on LinkedIn