Skip to main content
Resource Details
Auðlind

“Index of readiness for digital lifelong learning: changing how Europeans upgrade their skills”

O Centre for European Policy Studies, em colaboração com o Grow with Google, elaborou um relatório Intitulado “Index of readiness for digital lifelong learning: changing how Europeans upgrade their skills” que fornece um ranking dos países europeus em matéria de aprendizagem ao longo da vida digital.

Os países melhor posicionados neste ranking são a Estónia (1º lugar), a Holanda (2º), a Finlândia (3º), o Luxemburgo (4.º), Malta (5.º) e Chipre (6.º).

Portugal ocupa o 9.º lugar do ranking, situando-se acima de países como a Áustria (10.º lugar), a Irlanda (12.º), a Dinamarca (17.º) e a França (18.º). Portugal ocupa esta posição pelos elevados resultados em termos de instituições e políticas para a aprendizagem digital, não tendo ido mais além pelo atraso na disponibilização de condições para a aprendizagem digital.

Abaixo da média europeia encontram-se países como a Bélgica (21.º lugar), a Polónia (22.º), a Grécia (25.º), a Itália (26.º) e a Alemanha (27.º).

Estes resultados demonstram ainda que todos os países têm margem para melhorar e que de todos é possível extrair alguns ensinamentos.

Em termos gerais, o ranking demonstra que “o dinheiro conta” (quanto mais rico e economicamente sustentável é o país, melhor o seu resultado, embora haja exceções surpreendentes como a Alemanha e a Bélgica); que os resultados não estão relacionados com a geografia ou a história; que a determinação é fundamental (os resultados de países como Chipre e Malta evidenciam bem a relevância das políticas e do papel das instituições nesta matéria); que não existe uma proporção direta entre tamanho e desempenho (quatro dos maiores países europeus em população e produto interno bruto têm um fraco desempenho – Alemanha, França, Itália e Polónia).

Por fim, convictos de que a digitalização pode proporcionar mais oportunidades para se aprender, mais baratas e com melhor qualidade,  os autores do estudo deixam três recomendações aos decisores políticos: a Europa necessita de ser mais estratégica, o que pode ser feito através de uma política de ação coerente, tendo por base o Plano de Ação para a Educação Digital; é necessário criar um instrumento financeiro dedicado (tendo como prioridade imediata o fortalecimento das competências digitais dos grupos mais vulneráveis); e, finalmente, importa que haja um entendimento e uma criação de conhecimento, comum, sobre aprendizagem digital, assente num programa de investigação e inovação que ajude a perceber o que deve ser explorado, o que funciona, o que deve ser evitado, que custos implica, quais os benefícios e quais os riscos.

Resource Details
Resource author
Miroslav Beblavy
Gerð efnis
Úttektir og skýrslur
Land
Útgáfudagur
Language of the document
Login (0)

Login or Sign up to join the conversation.

Want to add a resource ?

Don't hesitate to do so! Click the link below and start posting a new resource!